mais um desabafinho.

Eu sigo uma youtuber que gosto muito. Nem vou dizer quem é.

Mas assim, ás vezes acho que ela força demais algumas coisas.

Por exemplo, ela é fã do Arctic Monkeys. Ok. Eu também gosto deles… desde 2005.

Daí uma vez ela disse em um vídeo que estava surpresa com a quantidade de pessoas curtindo a banda, que antigamente no tumblr dela eram poucos reposts e naquele momento eram muitos. Complementou dizendo ‘eu também divulguei muito eles’.

Como assim, xuxu? Seu tumblr é parâmetro oficial para saber quantas pessoas gostam de AM? Você divulgou eles? Você é a responsável por eles serem famosos no Brasil? Se você os conhece é porque eles já eram famosos muito antes, babe.

Aí agora em um outro vídeo ela estava falando das tão famosas botas OTK – Vivian Ward feelings. Que são moda há umas boas temporadas já. Ano retrasado eu já tinha uma dessas botas, elas ficam sumidas um tempo e retornam com tudo no inverno. Tipico!

Bom, no vídeo ela comentou das botas e disse ‘que eu adoro, mas o que tá acontecendo gente, tá todo mundo usando agora’. Mais uma vez ela usa algo conhecido e se diz surpresa por outras pessoas também conhecerem e desfrutarem.

É muita petulância desse povo que gosta de coisas que já são de alguma forma conhecidas, mesmo que sejam conhecidas por serem estranhas ou incomuns, e se sentirem diferentes por isso. Não é como se ela fosse dessas pessoas que sempre apresentam algo novo… é como se ela gostasse da mesma coisa que as pessoas ditas diferentes gostam, mas não num nível mainstream. E quisesse nos mostrar isso como se fosse novo, diferente e tals, só que não, é algo que todo mundo já conhece, tipo o Bukowski. Vamos combinar que o velho Buk é bem conhecido mundo afora, bem vendido e comentado, muita gente não gosta do estilo dele, nem todo mundo lê ou já leu os livros dele, mas certamente uma grande parte já ouviu falar. Woody Allen a mesma coisa, muita gente não aprecia o humor judeu dele mas todo mundo já ouviu falar do cara. Arctic Monkeys, Strokes, filmes indies que já são conhecidos etc etc etc. São tudo coisas famosas que nem todo mundo curte mas conhecem em algum grau.

Enfim, pra finalizar… pense sempre que se algo chegou até você sem nenhum grande esforço da sua parte é porque as chances já ser conhecido são bem grandes. E tente depois disso não se sentir grande divulgador de arte, porque você não é.

desabafo do dia.

Definitivamente há algo muito errado com as pessoas com as quais eu convivo.

Assim, qual a necessidade de fotografar qualquer coisa só para mostrar por ai? E ainda, pra que fotografar algo que você nem faz parte apenas para tentar se encaixar em algo que você nem participa ativamente?

Vou exemplificar. Comprar um livro, tirar fotos, postar no ig… mas não ler. Tirar fotos de cada livro* e postar nas redes sociais, mas encerrar o ano sem uma única leitura ativa. Vale ressaltar que essa pessoa em questão gosta de se ”sentir” inteligente, intelectualóide ou coisa do tipo, e acho que mostrar que comprou livros faça parte da fantasia dela. Também faz parte de seu perfil criticar tudo de forma generalizada, como se não fizesse parte daquilo, como se estivesse em um nível mais alto – o que não está.

Essa mesma pessoa também adora tirar várias fotos da caneca de café, para mostrar a caneca e o café. Não me pergunte o porque.

Ainda não percebi a necessidade disso, pra mim é uma tentativa de parecer algo que queria muito ser, mas que não consegue por n razões. Talvez seja para ficar mais parecida com as pessoas que admira e se inspira. Mas pra mim isso é tão estranho, como se fossem formas de ostentar coisas desnecessárias, algo meio ‘de que adianta fazer se ninguém for ver?’ Who knows?

Ou ainda, o problema pode ser todo comigo e eu que não consigo entender as pessoas por estar muito concentrada em mim mesma e achar que todos devam agir do mesmo jeito, sei lá, de uma forma meio blasé.

É, acho que é isso mesmo.

*livros não muito bons, diga-se de passagem.

sobre o frio e as kardashian/jenner.

Tenho estado mais preguiçosa do que nunca, o que significa que sair da cama já é um imenso esforço, e por isso tenho evitado hohoho. Brincadeiras a parte, infelizmente não posso me dar a esses luxos – esse mundo capitalista me obriga a trabalhar para comprar todas (algumas) aquelas coisas que eu quero, e gosto disso – mas bem que eu queria nesses dias frios, meus preferidos diga-se de passagem. [aqui eu não vou começar a lamentar pelas pessoas que gostam do calor, e divulgar a minha superioridade como pessoa que gosta do frio, da chuva, de café e de livros – coisas nada a ver mas que muita gente usa como critério de relevância – até porque o calorzinho é bom as vezes, sabe como é… paletas, vestidinhos, etc]

Quanta divagação! Mas olha, tô me sentindo meio recalcada em relação a Caitlyn Jenner aka Bruce Jenner. Que mulher linda que ela se tornou, you know, não se nasce mulher, torna-se, já dizia Simone. Só não aprovei o nome sem K… seriously Jenner?

Tá, eu nem sei porque tô escrevendo essas coisas, na verdade eu só queria fazer de conta que tenho algo pra dizer.